Martinho Lutero nasceu no dia 10 de novembro de 1483 na pequena cidade de Eisleben. Seu pai, de origem camponesa livre, emigrou de muito longe para essa cidade. Ganhou dinheiro nas minas de cobre e se tornou um homem consideravelmente rico. Educado sob a dura disciplina da época, Lutero levou 15 chicotadas por não saber conjugar os verbos em latim. Sua mãe era uma crente, mas,  supersticiosa camponesa, que inculcou em seu filho mitos e lendas próprios dos camponeses.

Alguns desses fantasmas perseguiam durante a longa luta em busca da salvação de sua alma. Lutero era de físico robusto, seu pragmatismo, seu interesse por trabalhos difíceis, sua força-de-vontade e seu conservadorismo o acompanharam desde cedo. Lutero foi enviado para a escola em Eisenach, ficando 1498 a 1501. Nesse período foi sustentado por amigos bondosos, entre os quais se encontrava Úrsula Cotta. Recebeu ensino superior de latim, condição que possibilitou seu acesso a Universidade. Em 1501, já na Universidade de Erfut, começou a estudar filosofia de Aristóteles sob a influência de professores que seguiam as idéias nominalistas de Guilherme de Occam. Occam ensinava que a revelação era o único guia no campo da fé, porém, a razão era o guia verdadeiro da filosofia.

Em 1502, ele recebeu o grau de bacharel em artes e, em 1505, o de mestre em artes.
Seu pai queria que ele estudasse direito; Lutero, porém, durante uma perigosa tempestade numa estrada perto de Erfurt, prometeu a Santa Ana tornar-se monge caso fosse poupado. Possívelmente a a crescente preocupação com sua alma tenha chagado a um clímax com esta experiência, secamente chamada por seu pai de “uma tramoia do diabo”. Três semanas depois, Lutero entrou num mosteiro da ordem agostiniana em Erfurt. Em 1507, foi ordenando e celebrou sua primeira missa. Lecionou teologia por um semestre na nova universidade, fundada em Wittenberg, em 1502 por Frederico, o Eleitor da Saxônia. Seus estudos agora em Erfurt eram também principalmente teológicos. Tais estudos aguçaram mais sua luta interior, ele encontrou algum conforto nos conselhos de Staupitz, o vigário geral da sua ordem, que lhe aconselhou a confiar em Deus e a estudar a Bíblia.

No inverno de 1510 e 1511, sua ordem o enviou a Roma a negócios. Lá ele viu um pouco da corrupção e da luxúria da Igreja Romana e começou a compreender a necessidade de uma reforma. Passou muito tempo visitando igrejas e vendo as numerosas relíquias que estavam em Roma. Ficou chocado com a leviandade dos sacerdotes italianos, capazes de rezar várias missas enquanto ele rezava uma.

Estátua de Lutero em Wittenberg

Em 1511, Lutero foi transferido para Wittenberg. Durante o ano seguinte, tornou-se professor de Bíblia e recebeu seu título de doutor em teologia. Até a sua morte, ele conservou o cargo de professor de teologia. Por essa época, também. Ele celebrava missas no castelo onde descobriria a justificação pela fé. Foi nessa universidade que ele e um grupo leal de professores e alunos amigos aceitaram a fé que se espalharia por toda a Alemanha.

Pr Joel Jair Nogueira ( Cairns, Earle E. – O Cristianismo através dos Séculos)